Quem Inventou o Amor?

Você Sabe Quem Inventou O Amor?

Certamente foi alguém cheio de brilho e luz, pois colocou em nossas vidas algo tão precioso, que uma atitude mal feita ou uma palavra mal colocada podem, de repente, tirar todo seu brilho. Mas, em contrapartida, se cultivado, da mesma forma que se cultiva um lindo jardim, é capaz de crescer, florescer e dar lindos frutos. Assim é o amor!

Quem Foi?

                Essa pergunta já deve ter passado pela cabeça de muitos de nós, e geralmente nos ocorreu nas situações mais tristes, naquelas que nos sentimos mais desprezíveis, menores até que um grão de mostarda. Olhamos para o lado e vemos que todos dão certo com o amor, é nós não!

Quem inventou o amor não sabia que ele sempre trazia consigo um pouco de dor. Já que amar é uma carga que traz o medo da perda e do esquecimento e isso acontece com todas as formas de amor.

Que Inventou O Amor

Que Inventou O Amor

As Facetas do Amor

                Há aquele amor entre pais e filhos, que muitos dizem ser o mais perfeito, porque nele não acontece concorrência, é de total desapego. Os pais amam seus filhos e ponto. Se forem gordos, magros, estudiosos, vagabas, alegres, tristes, saudáveis, doentes, bonitos e feios.     Enfim, pais não trocam os filhos por outros, já que os outros tiram melhor nota na escola, ou porque seus cabelos são mais lisos e brilhantes e seu riso é franco e tentador. É um amor incondicional que não se aplica, apenas acontece.

Já o amor entre marido e mulher ou namorados é bem diferente, funciona basicamente a base de troca. Essa troca pode ser de carinho, atenção, afeto, sendo mais direcionada a uma composição carnal.

Mas ao contrario do que acontece com o amor de pais, do nada pode acabar. De repente, um dia você acorda, olha do lado e aquela pessoa não te completa mais. Entretanto, como já se habituou a ela, vocês dois vão ficando e ficando e passam a vida inteira juntos.

Ocorre também de você se apaixonar pela pessoa e desapaixonar no mês seguinte, mas logo depois se apaixonar novamente. Talvez seja essa a mágica do amor, que faça com que casais passem trinta, quarenta e até cinquenta anos juntos.

Há ainda outras inúmeras formas de amar, e podem passar dias e dias aqui contando cada uma delas e mostrando o quanto elas são especiais, diferentes, divertidas e ainda o quanto elas são capazes de completar nossas vidas, cada uma a seu modo.

Quem inventou o amor não inventou apenas um sentimento único, estático, mas algo que é mutável, e passa de pessoa para pessoa e todos são capazes de senti-lo de maneira diversa. É como se fosse um vírus que encuba e se manifesta de acordo com a capacidade do coração.

O Amor

                Aquele que inventou o amor, bem sabia que o sentimento seria o mais importante dentre todos, que traria um sentido maior às vidas e, por isso, seria imensamente buscado e desejado por todos. Pois quem no mundo não quer amar e ser amado?

O desejo de amar vai além das forças, é uma necessidade que vem de dentro da alma. Portanto, uma necessidade básica do ser humano, que teme não ser correspondido no amor, seja ele de qual forma for.

Mas, mesmo que nunca saibamos quem inventou o amor, senti-lo dentro do peito nos faz sermos mais plenos, felizes e dispostos a partilhar esse sentimento com os outros, tal qual faziam os santos e pessoas de bem ao longo de suas vidas. Talvez o amor até se misture a outros sentimentos do bem, como solidariedade, bondade e ainda muitos outros que têm o poder de transformar a humanidade.

Criolo

Criolo

Esse amor que foi inventado sabe-se lá quando, já foi cantado, descrito, escrito, chorado, e dançado por milhões de pessoas. No entanto, conseguir demonstrar aqui o sentimento significa para todos nós é praticamente impossível, já que há tantos lindos escritos e lindas canções, por isso, separamos apenas uma música, que foi cantada por Edith Piaf, uma cantora francesa dos anos 50; a canção indaga a questão: Para que serve o amor? “A Quoi ça sert l’amour?”

Através delas podemos observar bem, o quanto esse sentimento causa transtornos em nosso coração e a canção diz mais ou menos assim:

Para que será que serve o amor? A gente pergunta isso todos os dias.

Vemos histórias e mais histórias que falam sobre o assunto.

Para que será que resolvemos amar?

Nunca conseguiremos explicar o amor

Talvez seja uma coisa meio “assim”, que vem e vai e nem sabemos ao certo de onde.

E quando vemos, já estamos envolvidos até o pescoço pelo amor.

Já ouvimos dizer que o amor nos faz sofrer, o amor nos faz chorar.

O amor serve para nos trazer alegria, ainda que seja com lágrimas nos olhos

É maravilhosa tristeza.

Muitos dizem que o amor nos traz decepção que há sempre alguém que não está contente.

Ainda quando perdemos o amor, fica em nossa boca um gosto doce de mel.

Sempre que o amor nos vem é um sentimento eterno, mas quando acaba, a dor é tão grande e profunda, que tudo parece estranho.

Porém, sem ter amor na vida, porque é que vivemos?

Aquele(a) a quem amamos parece ser sempre o primeiro, e ainda o último, pois o amor é assim, intenso.

O link para assistir ao vídeo e ver a música na integra pode ser acessados através do endereço: http://www.youtube.com/watch?v=94ZaQkTCM40 (caso a legenda não apareça é só ativá-la a partir das configurações do vídeo)

E para você, quem inventou o amor? Alguém que queria lhe ver feliz ou alguém que queria lhe ver sofrer? Quem sabe queria lhe ensinar que amar é tão bom que até quando se ama a pessoa errada, o sentimento vale à pena!

Amar é sofrer, sorrir, chorar, mas não querer viver sem o sentimento e o buscar a casa esquina, a cada encontro inesperado, a cada sorriso dado, e em todo abraço apertado. Amar é eterno ainda que o ser amado não o seja.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Amor

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.